Biblioteca


A hipótese de Lacan

  • Gerbase, Jairo

No campo que nos concerne, o do sintoma dito mental, há pelo menos três orientações bem definidas: a da psicologia, que supõe que a condição da formação do sintoma seja o ambiente (a família, a sociedade, o capitalismo), a da biologia, que supõe que a condição da formação do sintoma seja a genética (a hereditariedade, a neurotransmissão) e a da psicanálise, que supõe que a condição da formação do sintoma seja o real.

A pulsão em Freud e Lacan - Parte III

  • do Rio Teixeira, Marcus

Corpo, Pulsão, Gozo – Curso Campo Psicanalítico de Salvador 2016
A pulsão em Freud e Lacan (parte III)

A pulsão em Freud e Lacan (parte I)

  • do Rio Teixeira, Marcus

    Se a teoria psicanalítica nos ensina que o corpo do falasser é desnaturado, que não é um corpo animal; se a clínica nos mostra que ele se distingue do organismo, que não pode ser reduzido a sistemas de órgãos regidos pelo funcionamento fisiológico; cumpre definir conceitualmente de que forma se organiza esse corpo.

A pulsão em Freud e Lacan (parte II)

  • do Rio Teixeira, Marcus

Dando continuidade Ao Estudo da pulsão, abordaremos Nesta aula OS SEUS Componentes da forma Que Freud OS definir nenhuma Artigo metapsicológico Seu, Bem Como os comentarios Google de Lacan a Partir do Seu Seminário 11, Os Quatro Conceitos de Fundamentos da psicanálise.

Carne que te quero corpo, nome que te quero carne

  • Sá, Olga

Pretendemos aqui, hoje, engrossar a fileira dos que defendem a hipótese de Lacan. 

Coisa de macho

  • do Rio Teixeira, Marcus

Continuamos a leitura do Seminário 10, A Angústia, com a aula XV, “Coisa de macho”. Lembrando sempre que esses comentários, como não poderia deixar de ser, são recortes no texto feitos de acordo com aquilo que cada um de nós pretende enfatizar. Portanto, não são e nem têm a pretensão de ser uma leitura única, definitiva, do ensino de Lacan.

Conexões teóricas entre performatividade, corpo e identidades

  • Pinto, Joana Plaza

Com base nas interpretações que Derrida (1990) e Butler (1997; 1998; 1999) fazem dos estudos de atos de fala de Austin (1976), este artigo discute as conexões teóricas entre performatividade, corpo e identidades. Uma visão performativa radical da linguagem propõe o corpo como elemento explicativo na análise das práticas identitárias. Os atos de fala repetidos dentro de um quadro normativo rígido constituem as identidades - atos ritualizados de um corpo que fala.

Construção do conceito de objeto a no Seminário 10, A Angústia

  • do Rio Teixeira, Marcus

Trago um pequeno recorte dos muitos pontos abordados nesse seminário complexo e rico em questões clínicas. O conceito de objeto a é construído por Lacan como um work in progress ao longo do seminário. Falar em construção do conceito não significa, obviamente, dizer que Lacan o aborda aqui pela primeira vez.

Corpo de Homem/Corpo de Mulher - Os corpos e a diferença sexual

  • Teixeira, Marcus do Rio

Falar sobre os corpos e a diferença sexual a partir de uma leitura lacaniana pode parecer à primeira vista contraditório com a conhecida proposição de que o sujeito não tem sexo. Tal contradição, todavia, é apenas aparente, pois é evidente que Lacan se refere ao sujeito do inconsciente; este, por ser pontual e evanescente, não "está lá" todo o tempo, mas se constitui no instante de um lapso, por exemplo.

Corpo e histeria na contemporaneidade: considerações

  • Csillag, Michele

Os tempos do sujeito do inconsciente

Anais do V encontro internacional da IF-EPFCL

Palavras-chave

© Campo Psicanalítico - Todos os direitos reservados
carlosedu